Engenharia de Produção

OBJETIVOS

Formar Engenheiros de Produ√ß√£o com vis√£o moderna das demandas e das inova√ß√Ķes da √°rea de engenharia, com s√≥lida forma√ß√£o geral e cient√≠fica que o capacite a identificar, formular e solucionar problemas ligados √†s atividades de projeto, opera√ß√£o e gerenciamento do trabalho e de sistemas de produ√ß√£o de bens e/ou servi√ßos, considerando seus aspectos humanos, econ√īmicos, sociais e ambientais, com vis√£o √©tica e humanista.
Específicos
- Assegurar a forma√ß√£o em Engenharia de Produ√ß√£o de forma que os aspectos generalistas da profiss√£o sirvam de base para a consolida√ß√£o dos conte√ļdos cient√≠ficos e t√©cnicos, permitindo o exerc√≠cio da profiss√£o em ambientes diversos sem se afastar da real identidade do curso;
- Formar um profissional criativo e flexível, com espírito crítico, iniciativa, capacidade de julgamento e tomada de decisão, ser apto a coordenar e atuar em equipes multidisciplinares, ter habilidade em comunicação oral e escrita e saber valorizar a formação continuada;
- Oferecer um s√≥lido aparato de conhecimentos t√©cnicos e cient√≠ficos e habilidades pr√°ticas essenciais √† profiss√£o, adquiridas por uma boa forma√ß√£o acad√™mica apoiada em um v√≠nculo investigativo e no uso de eficientes recursos tecnol√≥gicos, propiciando ao m√°ximo a a√ß√£o discente em condi√ß√Ķes favor√°veis de estudo e desenvolvendo sua capacidade de aplica√ß√£o em espa√ßos reais de trabalho;
- Disponibilizar um elenco de op√ß√Ķes de conviv√™ncia com outras √°reas do conhecimento colocadas √† disposi√ß√£o dos acad√™micos em termos pr√°ticos e efetivos;
- Comprometer o corpo docente com o projeto acad√™mico do curso, atrav√©s do seu Colegiado, possibilitando o fazer acontecer de maneira adequada, buscando nas v√°rias a√ß√Ķes, tanto nas curriculares como nas extracurriculares, formas de contribuir para a forma√ß√£o do perfil acordado por todos aos novos engenheiros.








CAMPO DE ATUAÇÃO

O profissional egresso do curso de Engenharia de Produ√ß√£o com forma√ß√£o t√©cnica e cient√≠fica atuar√° na Engenharia de Produ√ß√£o das organiza√ß√Ķes, al√©m de desenvolver atividades espec√≠ficas da pr√°tica profissional em conson√Ęncia com as demandas mundiais, nacionais e regionais. O Engenheiro de Produ√ß√£o √© habilitado para trabalhar em empresas de manufatura dos mais diversos setores, como metal√ļrgica, mec√Ęnica, qu√≠mica, constru√ß√£o civil, eletro- eletr√īnica, agroind√ļstria; em organiza√ß√Ķes de presta√ß√£o de servi√ßos, como bancos, empresas de com√©rcio, institui√ß√Ķes de pesquisa e ensino e √≥rg√£os governamentais.










COMPETÊNCIAS E HABILIDADES ESPERADAS DO EGRESSO

I. Aplicar conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e instrumentais à engenharia;
II. Dimensionar e integrar recursos físicos, humanos e financeiros a fim de produzir, com eficiência e ao menor custo, considerando a possibilidade de melhorias continuas;
III. Utilizar ferramental matem√°tico e estat√≠stico para modelar sistemas de produ√ß√£o e auxiliar na tomada de decis√Ķes;
IV. Projetar, implementar e aperfei√ßoar sistemas, produtos e processos, levando em considera√ß√£o os limites e as caracter√≠sticas das comunidades envolvidas, legisla√ß√£o pertinente e outros aspectos s√īcio-econ√īmicos;
V. Prever e analisar demandas, selecionar conhecimento científico e tecnológico, projetando produtos ou melhorando suas características e funcionalidade;
VI. Incorporar conceitos e técnicas da qualidade em todo o sistema produtivo, tanto nos seus aspectos tecnológicos quanto organizacionais, aprimorando produtos e processos, e produzindo normas e procedimentos de controle e auditoria;
VII. Prever a evolu√ß√£o dos cen√°rios produtivos, percebendo a intera√ß√£o entre as organiza√ß√Ķes e os seus impactos sobre a competitividade;
VIII. Acompanhar os avanços tecnológicos, organizando-os e colocando-os a serviço da demanda das empresas e da sociedade;
IX. Interrelacionar os sistemas de produ√ß√£o com o meio ambiente natural, tanto no que se refere √† utiliza√ß√£o de recursos escassos quanto a disposi√ß√£o final de res√≠duos e rejeitos; X. Utilizar indicadores de desempenho, sistemas de custeio, bem como avaliar a viabilidade econ√īmica e financeira de projetos;
XI. Gerenciar e otimizar o fluxo de informação nas empresas utilizando tecnologias adequadas.

DURAÇÃO

5 anos

CARGA HOR√ĀRIA

4.000 horas

MATRIZ CURRICULAR
1 Propor√ß√£o / 2 Propor√ß√Ķes
2 Sample t / 1 Sample t
5 Por quês
An√°lise de Stakeholders
Análise de Viabilidade Técnica
Anova
Auditoria e Monitoramento
Boxplot e Dotplot
Brainstorming
Capabilidade Dados N√£o Normais
Capabilidade Dados Normais
Características Críticas para a Qualidade (CTQ)
Cartas de Controle para Dados Atributivos
Cartas de Controle para Dados Contínuos
Ciclo PDCA
Correlação
Cronoan√°lise
Definição do projeto (project charter)
Design of Experiments (DOE)
Desvio Padr√£o e Vari√Ęncia e Amplitude
Diagrama de Afinidades
Diagrama de Gantt
Diagrama de Pareto
Distribuição Normal
Estatística Descritiva e Inferencial / Limite Central
Ferramentas Lean
Fluxograma
Intervalo de Confiança
Introdução à Cultura 6 Sigma
Introdução ao Lean Manufacturing
Ishikawa (Espinha de Peixe)
Kaizen - As Is e To Be
M.S.A (Tendência, Estabilidade e Linearidade)
M.S.A. (R&R)
Man Whitney
Mapa de Processos
Mapeamento do Fluxo de Valor (VSM)
Matriz de Causa e Efeito
Matriz de Priorização (GUT)
Média, Mediana e Moda
Metodologia DMAIC
Mood Median
Nível Sigma - métricas do Seis Sigma
On the Job Training - OJT
Orientação Projeto Final
Os 7 Desperdícios (Muda)
PFMEA
Planejamento do Controlar
Plano de Ação 5W2H
Plano de Coleta de Dados
Plano de Controle
Poka-Yoke
Procedimento Operacional
QFD ‚Äď Casa da Qualidade
Qui-Quadrado
Regressão Logística
Regress√£o M√ļltipla
Regress√£o Simples
SIPOC
Sistema de Produção Puxados Genéricos
Tamanho de N√ļmero de Amostras
Testes de Hipóteses
Testes de Normalidade e Intervalo de Confiança
Validação Mapeamento do Processo
Valor da Velocidade (Lead Time, WIP, Setup, VA)
Verificação de Eficácia
Voice of the Costumer (VOC)



Aula Pr√°tica